Diocese Duque de Caxias se despede de missionários italianos

Fruto da amizade entre os bispos Manuel da Cunha Cintra e Girolamo Bortignon que se conheceram ainda estudantes na Itália, a missão da Diocese de Padova, Itália, na Diocese de Duque de Caxias teve início antes mesmo da diocese ser instalada e inspirada antes mesmo do Papa Pio XII promulgar a carta encíclica Fidei Donum e o Concilio Vaticano II ter o Decreto Ad Gentes, ambos documentos que falam sobre a missão na vida da Igreja.

Ao todo foram 52 anos de missão desde que o primeiro missionário padovano, o Padre chegou na Paróquia Nossa Senhora do Pilar junto com o Padre que pertencia a Diocese de Imola. De lá pra cá foram xx padres e xx leigos e leigas que deixaram suas famílias e sua terra natal para viver um tempo de missão na Baixada Fluminense. Alguns deles, como bispo de Barra do Piraí – Volta Redonda, Dom Francesco Biasin e o Padre Orazio Zecchin, viveram a maior parte de suas vidas no Brasil, desde os primeiros momentos de seus ministérios como padres.

DSCN0090

Na missa que marcou o encerramento dessa missão, oportunidade em que a Diocese de Duque de Caxias os agradeceu por esse frutuoso tempo, marcaram presença os bispos Luciano Bergamin, da Diocese de Nova Iguaçu; José Francisco, da Arquidiocese de Niterói; Gregório Paixão, da Diocese de Petrópolis; Dom Mauro Morelli, bispo emérito de Duque de Caxias; Dom Claudio Cipolla, da Diocese de Padova; e de Dom Tarcisio, bispo de Duque de Caxias que presidiu a celebração.

“A Diocese de Duque de Caxias é uma filha que possui três mães. A Diocese de Petrópolis que lhe deu o município que a nomeia, a Diocese de Nova Iguaçu que lhe deu o município de São João de Meriti e a Diocese de Padova que lhe ofereceu os primeiros padres que tanto trabalharam para que a nossa diocese chegasse hoje onde está, caminhando com as suas próprias pernas”, disse Dom Mauro Morelli, primeiro bispo diocesano, durante o momento de recordação da vida.

Além da missa em ação de graças, foi feito o lançamento de uma Revista Comemorativa e da exposição fotográfica intitulada “Grazie, Padovani!”. “Queremos registrar também nós a nossa gratidão. A história missionária padovana em nossa diocese gera em nós o desejo imenso de dizer “Grazie, Padovani!” – muito obrigado missionários de Padova – ao mesmo tempo é uma história que deseja suster e animar todos nós cristãos, discípulos e missionários de Jesus Cristo no constante e alegre e empenho missionário. Queremos continuar a servir a Deus e aos irmãos. Quero ainda assegurar aos nossos missionários de Padova, na pessoa do seu atual bispo, Dom Claudio Cipolla, que as portas de nossa Igreja, que o coração desta Igreja plantada na Baixada Fluminense, que um dia os receberam, estarão sempre abertos com os sinceros sentimentos de estima, afeto e gratidão”, disse Dom Tarcisio em sua homilia, explicando aos presentes o sentido desse louvor a Deus.

Os missionários italianos seguem para a Amazônia, onde desde o ano passado realizam a missão na Diocese de Roraima, na cidade de Caracaraí.

DSCN0082

 

Fotos: Michelle Rocha – Pascom Catedral de Santo Antônio