OS POBRES E A POBREZA

A imagem pode conter: 2 pessoas

Dom Fernando Arêas Rifan*

Celebramos no domingo passado, por instituição do Papa Francisco, o 1º Dia Mundial dos Pobres, ocasião oportuna para refletirmos mais sobre a pobreza e suas implicações morais, na linha da doutrina social da Igreja.
“Hoje muitos homens, talvez a maioria, não dispõem de instrumentos que consintam entrar, de modo efetivo e humanamente digno, dentro de um sistema de empresa, no qual o trabalho ocupa uma posição verdadeiramente central… Em suma, eles, se não são propriamente explorados, veem-se amplamente marginalizados, e o progresso econômico desenvolve-se, por assim dizer, por cima das suas cabeças, quando não restringe ainda mais os espaços já estreitos das suas economias tradicionais de subsistência… Muitos outros, embora não estando totalmente marginalizados, vivem inseridos em ambientes onde a luta pelo necessário é absolutamente primária… Infelizmente a grande maioria dos habitantes do Terceiro Mundo vive ainda nestas condições” (S. João Paulo II, Centesimus Annus, 33).
“Quanto aos deserdados da fortuna, aprendam da Igreja que, segundo o juízo do próprio Deus, a pobreza não é um opróbrio e que se não deve corar por ter de ganhar o pão com o suor do seu rosto. É o que Jesus Cristo nosso Senhor confirmou com o seu exemplo. Ele que, ‘de muito rico que era, se fez indigente’ (2Cor 8,9) para a salvação dos homens; que, Filho de Deus e Deus Ele mesmo, quis passar aos olhos do mundo como filho dum carpinteiro, que chegou a consumir uma grande parte da sua vida no trabalho manual: ‘Não é Ele o carpinteiro, filho de Maria’ (Mc 6,3)? Quem tiver na sua frente o modelo divino compreenderá mais facilmente o que vamos dizer: que a verdadeira dignidade do homem e a sua excelência reside nos seus costumes, isto é, na sua virtude; que a virtude é o patrimônio comum dos mortais, ao alcance de todos, dos pequenos e dos grandes, dos pobres e dos ricos; só a virtude e os méritos, seja qual for a pessoa em que se encontrem, obterão a recompensa da eterna felicidade. Mais ainda: é para as classes desafortunadas que o coração de Deus parece inclinar-se mais. Jesus Cristo chama os pobres bem-aventurados (cf. Mt 5,3); convida com amor a virem até Ele, a fim de consolar todos os que sofrem e choram (cf. Mt 11, 18). Abraça com a caridade mais terna os pequenos e os oprimidos. Estas doutrinas foram, sem dúvida alguma, feitas para humilhar a alma orgulhosa do rico e torna-la mais condescendente, para reanimar a coragem daqueles que sofrem e inspirar-lhes resignação. Com elas achar-se-ia diminuído o abismo procurado pelo orgulho e obter-se-ia sem dificuldade que as duas classes se dessem as mãos, e as vontades se unissem na mesma amizade” (Leão XIII, Rerum Novarum, 15).
“A caridade representa o maior mandamento social. Respeita o outro em seus direitos. Exige a prática da justiça e só ela nos torna capazes de praticá-la. Inspira uma vida de autodoação: ‘Quem procura ganhar sua vida vai perdê-la; e quem a perder vai conservá-la’ (Lc 17, 33)” (Catecismo da Igreja Católica, n. 1889).

*Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney