Refugiados e discurso do ódio

A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé

Dom Roberto Francisco Ferreria Paz

Bispo  de Campos (RJ)

A lei de migração e a vinda de um grupo numeroso de muçulmanos para o Brasil tem concitado reações destemperadas e raivosas. O dia dos refugiados, que se comemora no dia 20 de junho, sempre foi uma memória da importância de termos as fronteiras abertas do coração e da Nação para acolhermos os expulsos e refugiados que são o rosto do Cristo migrante e peregrino que, com seus pais, teve que fugir para o Egito.

A paranóia de quem afirma gratuitamente que todos os muçulmanos são terroristas e que vão desgraçar nosso país, configura um discurso de ódio e discriminação religiosa. Quando cedemos ao sentimento de xenofobia e repulsa ao irmão migrante e estrangeiro não só ofendemos a Deus, o Pai das misericórdias, mas confirmamos a triste e desqualificada causa dos terroristas, inviabilizando a paz. A rejeição de refugiados de qualquer etnia, religião ou ideologia, longe de trazer segurança, está a firmar o círculo de ferro da violência e da intolerância que se alimenta de ódio e de medo.

Pelo contrário, quando um ser humano é acolhido como membro da família do país que o recebe, sendo convidado a residir e habitar pacificamente na terra, está gerando vínculos permanentes de fraternidade e hospitalidade que certamente se traduzem em prosperidade e benção. A guerra sempre nasce de pessoas que não oferece morada, não enxergam e visualizam o rosto singular e original de cada ser humano, que transcende credos religiosos, ideologias políticas ou filosofias, uma vez que todos somos filhos do mesmo Pai.

A vitória, ou melhor, a superação do terrorismo e do fundamentalismo, nunca estará no poder das armas ou muralhas discriminatórias legais, mas na firme decisão de acolher e amar, pois só a compaixão e a misericórdia são criativas e suscitam relacionamentos novos, solidariedade e convivência respeitosa e pacífica. Demos uma oportunidade e chance à paz, sejamos generosos e cordiais como a terra Brasilis sempre foi, acomodando e dando um canto aos irmãos refugiados e perseguidos. Que o Cristo peregrino e migrante do Reino nos ajude a dar repouso e lar aos refugiados construindo um mundo mais habitável e acolhedor. Deus seja louvado!