Espetáculo de cores e fé pelas ruas de Campos

Procissão de Corpus Christi

Procissão de Corpus Christi/Antônio Leudo

Diversas ruas da área central de Campos foram interditadas, nesta quinta-feira (15), para receberem os tapetes confeccionados em virtude do feriado de Corpus Christi. Pela manhã, alunos das escolas campistas e também membros das pastorais da Diocese de Campos se reuniram para a confecção de dezenas de tapetes no entorno da Praça do Santíssimo Salvador, na avenida Alberto Torres, na rua Tenente Coronel Cardoso, em frente ao Colégio Eucarístico e na rua Barão de Miracema. O trajeto foi por onde passou, no final da tarde, a procissão de Corpus Christi, que reuniu milhares de fiéis, com início no Santuário de Adoração, na rua Carlos de Lacerda, às 16h, e término com uma missa na praça principal da cidade.
O dia ainda estava clareando e muitos jovens já estavam reunidos para manterem a tradição católica. O grupo da Pastoral Jovem de Colisão, da Igreja Sagrado Coração de Jesus, foi um dos que colocou a mão na massa logo pela manhã. Para os jovens do grupo, a data é importante porque demonstra a adoração a Jesus. “Chegamos aqui antes das 8h da manhã para preparar os tapetes e fazer com que o nosso trabalho fique perfeito. Estamos utilizando material reciclável”, disse Carlos Luciano Soares dos Santos Filho, um dos membros do grupo.

Confecção de tapetes no Centro de Campos

Confecção de tapetes no Centro de Campos

Confecção de tapetes no Centro de Campos

Fiéis confeccionam tapetes no Centro de Campos

Confecção de tapetes no Centro de Campos

Um dos principais cuidados na decoração dos tapetes foi a escolha das tintas — nenhuma delas tóxica, para não prejudicar a reutilização dos produtos como adubo. Além da tinta, também foram usados areia, dolomita e diversos tipos de produtos recicláveis. Cada tapete teve a medida de 5×3 metros e, entre eles, foi feita uma passarela ornamentada, de 8 a 10 metros de comprimento.
Na praça do Santíssimo Salvador, a Pastoral da Terra e Agricultura Familiar montou um mosaico com produtos da agricultura familiar. Alimentos como aipins, batatas, cenoura e folhagens, foram utilizados para a confecção do mosaico chamado de “Passarela do Amor”, inspirado na Campanha da Fraternidade deste ano: “biomas brasileiros e defesa da vida”, e no lema “Cultivar e guardar a criação”.
Todo cuidado na preparação foi recompensado quando a procissão passou. No meio do público, muitos fiéis que sempre marcam presença, além de outras pessoas que acompanharam o evento em Campos pela primeira vez. Este é o caso de Lucia Coelho, 48 anos, que ficou encantada com a demonstração coletiva de fé. “Eu acho muito bonito. É uma fé que todos nós temos e precisamos colocá-la em prática. A religião católica é muito bonita e tem suas tradições a serem seguidas”, disse. A campista Sônia Moté, 60 anos, seguiu a mesma linha: “É muito importante ter a procissão. Durante todo o ano, a gente participa das missas e celebrações. Então, esse é um dia para levar a fé pra rua”, afirmou.
Reportagem 
Jornal Folha da Manhã