A joia da virtude da prudência

SANTIFICACAO DO CLERO 2017 26

Caros amigos, todos os dias precisamos tomar muitas e importantes decisões sobre a nossa vida, e estas, por vezes, repercutem também sobre a vida de outras pessoas. De fato, não se pode separar a liberdade da responsabilidade, que é sua consequência natural. Um Beato do século XX, o Cardeal britânico John Henry Newman, dizia com grande acerto: “A consciência tem direitos, porque tem deveres” (Carta ao Duque de Norfolk).

No “mar da vida”, no qual precisamos navegar, certamente não nos falta o auxílio da graça de Deus. Mas, precisamos recordar também que há uma parte importante de nossa colaboração para que a Providência de Deus nos guie em via segura. Quanto mais acostumados a ponderar as decisões diante de Deus, mais experimentados seremos na virtude da prudência, que nos leva a realizar o bem necessário em cada momento de nossa existência. Esta virtude evita a impetuosidade em nossas reações e nos conduz a procurar auxílio na oração, no conhecimento da verdade e no conselho de sábios.

Mas, não é verdade que muitas vezes falta tempo para tanta reflexão? E que os problemas aparecem quando estamos menos preparados? Realmente as adversidades não enviam aviso prévio! Por isso, é tão importante rezar, estudar e ter sempre bons conselheiros, seja nos momentos de tranquilidade ou naqueles de maior dificuldade. Lembro que estes são os instrumentos para combater, a cada momento e com a ajuda de Deus, o bom combate da fé, da esperança e da caridade.

Diz o livro dos Provérbios: “Pois a Sabedoria é melhor do que as joias, e tudo o que é desejável não se compara com ela! Eu, a Sabedoria, moro com a prudência, e descobri a arte da reflexão” (Pr 8, 11-12).

Não podemos dizer que tudo o que acontece é simplesmente bom. As coisas não são assim! Pela fé sabemos que de toda ocasião Deus sabe tirar um bem em proveito daqueles que O amam (Cfr. Rm 8, 28), mas nem por isso podemos dizer que tudo o que acontece é bom. Muitos são os males causados pelo erro humano, pelo pecado, pela maldade e pela imprudência. Em meio às maldades deste mundo, Deus aperfeiçoa e purifica as almas de seus eleitos. Porém, a vida seria mais feliz se os homens e mulheres fossem mais prudentes em suas relações, procurando a verdade e a justiça, irmãs inseparáveis da misericórdia.

Que Deus nos dirija em nossos pensamentos, palavras e ações e que sejamos diligentes para todo bem. Deus abençoe a todos!

Dom Edney Gouvêa Mattoso
Bispo de Nova Friburgo (RJ)