ENTREVISTA: Dom Roberto Francisco Ferreria Paz

Exibindo 33612817114_45632f2954_o.jpg

Dom Roberto Francisco, Bispo de Campos é atualmente Referencial da Pastoral Política da CNBB- Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil – Regional Leste 1. Em sua ação pastoral realiza reuniões nas cidades para encontro com políticos para debates sobre temas voltados a doutrina social e as orientações da Igreja no Brasil. Nestes encontros Dom Roberto Francisco destaca as questões importantes para a defesa da vida, dignidade humana e o respeito a cidadania plena e consciente e coloca nos políticos um pouco dessa caminhada eclesial da igreja católica como uma voz em defesa dos pobres e oprimidos. Nesta entrevista Dom Roberto vai falar um pouco do projeto Fé e Poítica.

Entrevista

Exibindo 34295326372_8b601d629e_o.jpg

Qual a visão da Igreja Católica como voz em defesa da vida e da cidadania plena?

DOM ROBERTO  Anunciar o Evangelho de Cristo contém uma mensagem sobre a justiça, poder-serviço e os valores do Reino, que já está no meio de nós. Não podemos isentar-nos de apresentar a ética e a doutrina social sobre o bem comum, a pessoa humana e a sua dignidade, a solidariedade e a opção preferencial pelos pobres.

Qual a posição da Igreja Católica diante de tantos escândalos na atual conjuntura política com o envolvimento de políticos e esquemas que acarretam prejuízos à sociedade brasileira?

DOM ROBERTO  Denunciar o esvaziamento ético da política e sua cooptação pela globalização  serviço de um capital financeiro parasita, que a transformou num balcão de negócios corrompendo sem escrúpulos os agentes e servidores públicos. É necessário a conversão das pessoas servidoras e ao mesmo tempo o controle, transparência e a democratização do Estado.

A Igreja Católica tem se posicionado em alguns projetos que prejudicam a sociedade com a perda de direitos adquiridos, qual a sua posição diante desta Situação?

DOM ROBERTO  Desconstruir os direitos sociais, precarizando o trabalho, é uma opção excludente e contrária a um desenvolvimento nacional autônomo, que queira ampliar o processo de industrialização alicerçada num verdadeiro pacto social que integre e inclua os mais pobres.

Num país onde a política está perdendo a credibilidade, qual a sua posição? O Que a sociedade pode fazer para exigir uma política voltada ao bem comum?

DOM ROBERTO  Monitorar e vigiar mais os eleitos, escolher com mais apuração e consciência os candidatos, fazendo valer a ficha limpa. Construir mandatos comunitários com participação do povo, e uma renovação ética e principiológica dos partidos.

No dia 7 de junho inicia um programa que será apresentado na Rádio Aliança. Qual o objetivo desse programa? E poderá haver participação popular?

DOM ROBERTO  Será um espaço aberto, ao controle social, a discussão de idéias e a conscientização do povo católico. Um instrumento a serviço da cidadania.

 

As suas considerações finais e um painel do atual quadro e situação do Brasil. O que e como podemos iniciar uma mudança nessa situação.

DOM ROBERTO  Um quadro de perplexidade, radicalização e deterioro moral e institucional. Torna-se necessário a transformação do jeito de fazer política, superando práticas clientelistas e fisiológicas e ao mesmo tempo pensar num projeto nacional e popular.

Qual a orientação aos católicos e cristãos para a escolha nas próximas eleições? Qual o perfil do candidato que tenha os requisitos a uma política séria e voltada ao bem comum?

DOM ROBERTO  Participar intensamente do processo eleitoral. Fixar-se em candidatos que além da competência requisitada para o cargo público tenham uma transparência na vida pública ao serviço do povo, e probidade incontestável. Ver a possibilidade de chegar a consensos comunitários; firmando candidatos que conheçam e pratiquem a doutrina social e defendam os mais pobres.