Seminário da Arquidiocese de Niterói recebe 1º Encontro Ecumênico do Regional Leste 1

02

O Seminário São José da Arquidiocese de Niterói recebeu, no dia 29 de maio, o 1º Encontro da Dimensão Ecumênica do Regional Leste 1. O evento, que teve a presença de 38 leigos, sacerdotes e bispos de todo o estado do Rio de Janeiro, ajudou a embasar, motivar, conscientizar e aplicar o ecumenismo nas Dioceses que compõem o Regional.

O Padre Marcus Barbosa, da Diocese de Nova Iguaçu e assessor da Comissão Ecumenismo e Diálogo Inter-Religioso da CNBB, refletiu a ação ecumênica, a partir de alguns parágrafos da exortação apostólica Evangelii Gaudium e das Diretrizes Gerais para a Ação Evangelizadora 2015-2019, da CNBB.

Segundo o Padre, “O ecumenismo é uma questão de amizade e proximidade. ‘O abrir-se ao outro tem algo de artesanal’ (EN, n. 244), pois só existe porque existem diferenças. Não significa, portanto, concordar com tudo, mas conviver com as diferenças. Até aqui, nós temos pontos em comum; ali não. Assim vamos caminhando”, afirmou o sacerdote.

Ainda segundo o sacerdote, o ecumenismo foi tratado, originalmente pela Igreja, no Concílio Vaticano II. O documento Unitatis Redintegratio deu o ponto de partida para uma sensibilidade de diálogo e aceitação. “‘Por movimento ecumênico’ se entende o conjunto de atividades e de empresas que, conforme as distintas necessidades da Igreja às circunstâncias dos tempos, se suscitam e se ordenam a favorecer a unidade dos cristãos” (UR, n. 4).

A senhora Marilene de Castro, também da Diocese de Nova Iguaçu, testemunhou: “eu vivo o ecumenismo no meu lar, porque o quintal com bastante familiares, umbandistas e da Assembleia de Deus. Ali eu aprendi a conviver e a respeitar as diferenças. Nos nossos encontros, tentamos fazer respeitar a opinião de cada um, respeitando o que têm em comum”.

Em entrevista ao Diácono Adriano Cézar, Dom Francesco Biasin, Bispo de Barra do Piraí e Volta Redonda, e referência para a formação ecumênica da CNBB e do Regional Leste I, disse que “este encontro, na Arquidiocese de Niterói, de representantes de todas as dioceses do estado do Rio (de Janeiro) é um fato histórico, porque é a primeira vez que se reúnem representantes das dioceses para refletir sobre o ecumenismo e, sobretudo, sobre práticas ecumênicas nas nossas Igrejas. Esperamos que a partir deste encontro, outros possam acontecer, para ampliar o interesse e para que o espírito ecumênico, a espiritualidade ecumênica, a colaboração ecumênica possam expandir em todas as dimensões pastorais de nossas dioceses”., concluiu Dom Biasin.

Dom Francesco tratou da mística do ecumenismo, que não é outra coisa, senão a iniciativa de ir ao encontro do outro. Em sua fala, lembrou que perdemos terreno no combate a inimigos comuns (relativismo, por exemplo), porque não nos unimos enquanto cristãos. Comunicou, também, a realização do simpósio de estudo ecumênico do Comentário ao Magnificat, de Martim Lutero, que acontecerá em setembro de 2017.

01Durante o encontro, o Arcebispo de Niterói e Vice-presidente do Regional Leste 1, se fez presente e manifestou sua felicidade em acolher os participantes na Arquidiocese. “Precisamos, acima de tudo, criar esse espírito de comunhão, sabendo, através do diálogo, aceitar e respeitar o diferente.”, disse Dom José.

Dom Tarcísio, Bispo de Duque de Caxias e Secretário do Regional, ressaltou a importância de promover e desenvolver mais a atividade ecumênica nas dioceses.

O senhor Manoel Júnior, da Arquidiocese de Niterói, demonstrou como a arquidiocese tem trabalhado a questão ecumênica: “no último dia 09 de maio, nós realizamos a primeira celebração ecumênica no Vicariato São Gonçalo, que foi fruto de uma ação política do Vigário Episcopal com alguns pastores, e fizemos a celebração, que contou com a presença de cerca de 60 pessoas católicas e pentecostais, que é realidade de São Gonçalo. Ao final, os testemunhos mostraram a imensa felicidade de todos, ansiosos por esse momento de convivência dos cristãos.”, concluiu.

Segundo o site do Regional, o próximo encontro está previsto para o dia 29 de outubro.

Por João Dias, com Diácono Adriano Cézar
Informações e fotos: Comissão Arquidiocesana para o ecumenismo