Fiéis da Diocese de Petrópolis celebram Corpus Christi

18489513651_0f7c169091_zMilhares de pessoas participaram da solenidade de Corpus Christi na Diocese de Petrópolis, no dia 4 de junho. Durante o dia houve Missas em todas as Paróquias e o Bispo Diocesano, Dom Gregório Paixão, presidiu as Celebrações em Petrópolis e Teresópolis.

Na Cidade Imperial, mais de 5 mil fiéis participaram da procissão no Centro Histórico, que aconteceu após a Missa na Catedral São Pedro de Alcântara. Desde o início da manhã do feriado, católicos de várias paróquias foram para as ruas para confecção dos tapetes por onde passou o Bispo levando a Hóstia consagrada, presença viva de Cristo.

Os tapetes confeccionados ao longo das ruas Tiradentes, Imperatriz, Imperador, Nelson Sá Earp e Avenida Koeler foram feitos com diversos materiais, entre eles pó de café, serragem, tampas de refrigerante e material verde. Nos desenhos, os fiéis católicos representaram figuras como Nossa Senhora, o Cordeiro, Espírito Santo, logo da Jornada Diocesana da Juventude (JDJ), que acontecerá em julho, além de mensagens de paz, amor e devoção a santos e adoração a Deus.

Na Missa, durante a homilia, Dom Gregório Paixão lembrou que a Liturgia da festa de Corpus Christi foi preparada por Santo Tomás de Aquino depois de uma conversa com o Papa Urbano IV. O Papa perguntou ao santo o que ele queria e a resposta foi que a festa de Corpus Christi fosse proclamada para toda Igreja. Assim, Urbano IV disse que faria se ele escreve toda a liturgia. Em apenas 24 horas, Santo Tomás entregou as orações e o Papa cumpriu a promessa e proclamou, em 1264, a festa de Corpus Christi para toda Igreja, que passou a ser celebrada em todo o mundo.

Com relação a importância da festa, Dom Gregório Paixão ressaltou o texto do Evangelho (Mc 14, 12-16.22-26), que fala da instituição da Eucaristia na última ceia de Jesus com os apóstolos. O Bispo lembrou que este fato, junto aos que aconteceriam em seguida – morte de Jesus na cruz –, é a aliança definitiva de Deus com a humanidade e não mais a Páscoa dos judeus. “Não era mais a Páscoa judaica, era a aliança definitiva. Jesus tinha a certeza de que esta presença – seu corpo e sangue – chegaria a todos”.

Sobre o ministério da presença do corpo e sangue e Jesus na Eucaristia – hóstia consagrada – não é possível dar uma resposta científica, afirma o bispo. “Apenas pela fé podemos responder a este mistério. Precisamos abrir o ouvido do coração para ouvir o que Jesus diz”, comentou o Bispo, referindo-se as palavras de Cristo na última ceia: “Isto e meu corpo e meu sangue, tomai e bebei, tomai e comei. Fazei isto e minha memória”.

Dom Gregório Paixão lembrou que na hóstia consagrada há a presença definitiva daquele que é o Salvador de todos os homens e mulheres. O Bispo destacou que esta presença promove a unidade da Igreja e todas as pessoas comungam do mesmo altar e daquilo que está sobre o altar, Cristo vivo e presente na Eucaristia.

DSCF1859Em Teresópolis, o Bispo presidiu a Santa Missa no Ginásio Pedrão e os padres da cidade concelebraram. Em seu homilia, ele exortou os fiéis a estarem atentos em relação à mesa que a comunidade escolhe para cear. “Em que mesa nós ceamos? Um cristão não pode se sentar à mesa da corrupção, comer o pão da malvadeza. Ao contrário, somos chamados à mesa onde está sentado o Senhor, que nos convida a comungar de seu Corpo e Sangue, fazendo opções seguras de vida, lutar contra toda espécie de morte, ter coragem e pregar e viver a verdade. Fazer opções puras para que todos tenham vida e a tenham em abundância”.

Após a celebração, os fiéis seguiram com a tradicional procissão do Santíssimo Sacramento pelas ruas do centro da cidade. O cortejo saiu do Ginásio e seguiu pela avenidas Feliciano Sodré e depois Lúcio Meira, cortando toda a Várzea até chegar no Parque Regadas. Subiu a tradicional avenida em contramão, até a Delfim Moreira, seguindo também em sentido inverso até a Matriz de Santa Teresa, na Praça Baltazar da Silveira. Um belíssimo tapete decorativo recebeu os fiéis. Finalizando, o bispo Dom Gregório procedeu a benção do Santíssimo Sacramento, encerrando a celebração.

 

Seminaristas celebram Solenidade

18303402429_49bbbe332e_zOs seminaristas da Diocese de Petrópolis, além de participar da festa de Corpus Christi em algumas paróquias e na Catedral São Pedro de Alcântara, celebraram esta solenidade no Seminário Diocesano Nossa Senhora do Amor Divino, iniciando às 7h, com as Laudes cantadas, seguindo com a Santa Missa, procissão, Adoração e bênção do Santíssimo.

A Missa foi presidida pelo reitor do Seminário, Monsenhor José Maria Pereira, e, além dos seminaristas, contou com a participação de várias pessoas do entorno.

A homilia foi feita pelo Diácono Leonardo Santos, que destacou a Eucaristia como sacrifício e convidou a todos a fazerem de suas vidas um sacrifício de louvor e de amor pelo Senhor.

Os seminaristas prepararam todo o ambiente do Seminário para festa de Corpus Christi, com a confecção do tapete com imagens que mostram a importância do Cristo como Cordeiro e presença viva na Eucaristia.

 

Fonte: Diocese de Petrópolis