Dom Orani: “Que possamos conviver cada um respeitando a condição do outro”

1610778_880967595307545_7353565139703478324_nO arcebispo do Rio e presidente do Regional Leste 1, Cardeal Orani João Tempesta, recebeu na manhã desta sexta-feira, 19 de junho, a menina Kailane Campos, de 11 anos, que foi atingida por uma pedrada na cabeça por ser adepta do Candomblé, no último domingo.

O encontro foi organizado pela Comissão Arquidiocesana de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso, criada para fortalecer a promoção do ecumenismo e do diálogo inter-religioso à luz das orientações do magistério eclesial, em atenção à pluralidade religiosa do país.

Na ocasião, o Cardeal pôde expressar sua solidariedade e reafirmar sua abertura ao diálogo e respeito a todas as religiões. Também esteve presente a avó de Kailane, Kátia Marinho, que estava com a menina no momento da pedrada, além de representantes da Comissão Arquidiocesana de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso e da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa.

10491148_835758586472019_6332117205713465544_n“A Igreja Católica está aberta ao diálogo inter-religioso e já há muito tempo, desde que cheguei aqui no Rio, temos tido muitos encontros. […] Quando vemos que a nossa cidade começa a dar sinais de intolerância religiosa, de não mais aceitar o outro, isso nos causa uma grande preocupação. […] Disse à Kailane, à sua avó, que a postura cristã é de quem acredita que nós somos criados por Deus e cada um tem a sua dignidade… Somos pessoas humanas chamadas a viver respeitando-nos mutuamente independente de etnia, religião e ideologia. Enquanto alguém que se preocupa com o diálogo inter-religioso, conclamo a sociedade para que veja que aqui, no Rio de Janeiro, que a cultura sempre foi de entendimento, fraternidade e compreensão… Que possamos conviver cada um respeitando a condição do outro”, exortou Dom Orani.

À frente da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa no Rio de Janeiro, o Babalawo Ivanir dos Santos destacou a importância do encontro e anunciou que um dossiê sobre a intolerância religiosa, não só na cidade do Rio, mas em todo o Brasil, será lançado pela comissão no dia 18 de agosto, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ).

“Este momento representa a continuidade do diálogo que nós temos tido com a Igreja Católica e com as outras religiões também, pois dialogamos com todos através da comissão. Dom Orani nos receber e acolher a família é um sinal muito importante, pois nesse encontro a Igreja Católica simboliza e demonstra para toda a sociedade que o ódio não faz parte de nenhuma postura religiosa e isso é muito bom para todos nós”, afirmou Ivanir.

Três dias após levar uma pedrada na cabeça desferida por dois homens que a chamaram de “macumbeira” e dizer que ela deveria “queimar no inferno”, Kailane voltou a ser vítima de ofensas na manhã da última quarta-feira quando estava com a avó no Instituto Médico-Legal (IML) para fazer exame de corpo de delito.

“Eu gosto da minha religião e a escolha de fazer parte dela foi minha. Espero que todo mundo se una na busca por respeito”, desejou a jovem candomblecista.

 

Fonte texto e fotos: Arquidiocese do Rio.
Leia o texto original em ArqRio